“QUE O ASSASSINADO NÃO TINHA RELIGIÃO, NEM CONTAVA COM DEUS PAI”: escravidão, afro-catolicismo, paternalismo e criminalidade (Ilha do Quilombo, RS, 1874)

Autores

  • PAULO ROBERTO STAUDT MOREIRA Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS

DOI:

https://doi.org/10.18817/ot.v18i31.823

Palavras-chave:

Escravidão, Paternalismo, Justiça, Devoção

Resumo

Resumo: A consciência ou opinião pública antiescravista, crescente a partir da década de 1860 e, principalmente, 1870, atingiu os tribunais e a sociedade imperial de várias maneiras. No caso que relataremos a seguir, percebemos que essa mudança de sensibilidade com relação ao escravizado tinha, também, uma intenção de sufocar ou de limitar potenciais distúrbios que, começando numa instância micropolítica senhorial, se espraiassem para dimensões maiores. Era importante valorizar as motivações dos crimes dos escravizados, ponderando se eles não teriam sido impelidos ao crime pelo mau comportamento senhorial. Além disso, nessa trama que abordaremos por meio de um documento judiciário, evidencia-se que a devoção foi um dos principais artefatos culturais que interconectou os povos aproximados pelo tráfico transatlântico, e a sua análise permite-nos perceber as formas híbridas com que se passou a captar o real e o sobrenatural, naquelas identidades e sensibilidades marcadas pela diáspora.

Palavras-chave: Escravidão. Paternalismo. Justiça. Devoção.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

PAULO ROBERTO STAUDT MOREIRA, Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS

Doutor em História (UFRGS)
Universidade do Vale do Rio dos Sinos
Bolsista produtividade CNPq
São Leopoldo, Rio Grande do Sul, Brasil.


Downloads

Publicado

2021-02-18