AS DELEGACIAS, OS POSTOS E OS HOSPITAIS: as primeiras instituições de saúde e o atendimento infantil no Piauí (1889 -1930)

Autores

  • JOSEANNE ZINGLEARA SOARES MARINHO Universidade Estadual do Piauí - UESPI

DOI:

https://doi.org/10.18817/ot.v17i30.806

Resumo

Este artigo analisa como os serviços de saúde dos primeiros estabelecimentos implantados no Piauí realizavam o atendimento das crianças durante a Primeira República. Apesar do ideário de proteção da infância considerar o potencial das iniciativas em saúde como fator de investimento para o progresso e a civilização, não existia um projeto estadual ou um sistema de saúde federal que integrasse o Piauí. Para a análise, foram utilizadas como fontes as mensagens governamentais, a legislação, os jornais e revistas médicas, além de autores como Ana Paula Martins (2004), Colin Heywood (2004) e Gilberto Hochman (1998). Como resultado, identificou-se a instalação de poucas instituições no Piauí, como as delegacias e os postos de saúde pública, além dos hospitais filantrópicos. Com isso, a condição de limitação da oferta de serviços de saúde, mais concentrados e regulares na capital, acabou contribuindo para a ausência de uma proteção especializada no atendimento das crianças piauienses.

Palavras-chave: História. Estabelecimentos de saúde. Infância.

 

Biografia do Autor

JOSEANNE ZINGLEARA SOARES MARINHO, Universidade Estadual do Piauí - UESPI

Professora Adjunta da Universidade Estadual do Piauí - UESPI.

Professora do Mestrado Profissional em Ensino de História (ProfHistória) da UESPI.

Teresina/Piauí/Brasil.

 

Publicado

2020-10-13