“OSTALGIE” E A REPÚBLICA DEMOCRÁTICA ALEMÃ: as disputas sobre as memórias das homossexualidades

Autores

  • HENRIQUE CINTRA SANTOS Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

DOI:

https://doi.org/10.18817/ot.v18i31.824

Palavras-chave:

Memória, Sexualidades, Alemanha Oriental

Resumo

Resumo: A Ostalgie, neologismo alemão para designar a nostalgia para com a vida na antiga República Democrática Alemã, tem sido um traço característico dos discursos posteriores a reunificação alemã. A conformidade ou contrariedade à Ostalgie ocorre dentro de uma série de disputas sobre o enquadramento de uma memória nacional. É nessa concorrência sobre a memória que as homossexualidades e suas vivências na Alemanha Oriental encontram um terreno profícuo para sua problematização, mas presas em uma constate disputa que ora visa generalizar a repressão desses grupos como o único traço de suas vidas na RDA, ora atesta para uma revolução sexual que os teria beneficiado e os colocado em vantagem em relação à sua contrapartida ocidental. Assim, pretende-se aqui traçar o tratamento sobre a homossexualidade no antigo Estado alemão socialista, bem como as disputas sobre essa memória como resultantes das ambiguidades que circundaram as vidas homossexuais na Alemanha Oriental.

Palavras-chave: Memória. Sexualidades. Alemanha Oriental.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

HENRIQUE CINTRA SANTOS, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

Doutorando em História / Universidade Federal de Santa Catarina.
Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Downloads

Publicado

2021-02-18