CHEFIA FEMININA DE FAMáLIA E PRODUÇÃO DA VIDA EM CAMPO GRANDE-MS NO FINAL DO SÉCULO XX.

Autores

  • Dra.Dolores Pereira Ribeiro Coutinho Universidade Católica Dom Bosco

DOI:

https://doi.org/10.18817/ot.v7i9.125

Palavras-chave:

Famá­lia, Gênero, Patriarcado, Reprodução social

Resumo

A Famá­lia vivencia transformações na constituição e forma como  viabiliza a reprodução social. Dentre as novas formas existentes, uma se  caracteriza pela presença da mulher e sua prole, famá­lias que, ao produzirem vida,  reproduzem subjetividades. A realidade comprova que se expande a existência de  um sujeito social portador de caracterá­sticas especá­ficas, o qual se inscreve na  histórica ordem patriarcal de gênero. Os fundamentos teóricos de BERTAUX e  SAFFIOTI desvendam como ocorre a reprodução do grupo familiar chefiado por  mulher e permitem constatar que nas famá­lias de trabalhadores universitários de  Campo Grande ”“MS, as mulheres conseguem fazer, no final do século XX, a reprodução social dentro da classe.  Produção da vida material e social, isto é, a produção antroponômica.

Downloads

Publicado

2010-05-31