A EMERGÊNCIA DOS ESTADOS GERAIS E AS ORIGENS LUSO-AMERICANAS DE SEU EXPANSIONISMO ULTRAMARINO (1580-1609)

Autores

  • JOÃO GABRIEL COVOLAN SILVA Scuola Normale Superiore di Pisa/Lab-Mundi (FFLCH-USP)

DOI:

https://doi.org/10.18817/ot.v21i37.1016

Palavras-chave:

Estados Gerais. , América portuguesa. , Competições coloniais.

Resumo

Neste artigo buscamos relacionar a formação dos Estados Gerais após a revolta contra o poderio espanhol, caracterizando alguns aspectos centrais do novo Estado, e a intensificação de sua presença mercantil em territórios e possessões ultramarinas das potências ibéricas. Acreditamos que já no período final do século XVI e na primeira década do século XVII, o Estado neerlandês, com forte presença da classe comercial em sua administração, já se delineia uma política expansionista, a qual tem o Brasil e o comércio de açúcar como um objetivo central. A interação crescentemente assimétrica entre redes comerciais portuguesas e neerlandesas desvela-se como aspecto marcante da configuração da potência ascendente na disputa colonial europeia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

JOÃO GABRIEL COVOLAN SILVA, Scuola Normale Superiore di Pisa/Lab-Mundi (FFLCH-USP)

Phd Storia Moderna - Scuola Normale Superiore (SNS)

Lab-Mundi (Universidade de São Paulo)

Pisa-Itália

 

Referências

Documentos

CARDIM, Fernão. Tratados da Terra e da Gente do Brasil. 2. ed. São Paulo; Rio de Janeiro; Recife; Porto Alegre: Companhia Editora Nacional, 1939.

CORRESPONDÊNCIA de Diogo Botelho (Governador do Estado do Brasil, 1602-1608). Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, v.1, t. 73, 1910.

CORRESPONDÊNCIA do Governador D. Diogo de Menezes (1608-1612). Anais da Biblioteca Nacional (RJ), v. 57, 1935.

KOEN, E. M. (ed.). Notarial Records Relating to the Portuguese Jews in Amsterdam up to 1639. Studia Rosenthaliana, v. 5, n. 2, July 1971.

Le Relazioni degli Ambasciatori Veneti Durante il Secolo Decimosesto. Raccolte da Eugenio Alberi. Serie I, Volume III. Firenze: Società Editrice Fiorentina, 1853.

Monumenta Missionaria Africana, v.5: África Ocidental (1600-1610). Coligida e anotada pelo Padre António Brásio. Lisboa: Agência Geral do Ultramar, 1955.

Bibliografia

ABREU, Capistrano de. Capítulos de história colonial (1500-1800). Brasília, DF: Conselho Editorial do Senado Federal, 1998.

ABU-LUGHOD, Janet. Before European Hegemony: The World-System A. D. 1250-1350. Oxford: Oxford University Press, 1989.

ALENCASTRO, Luiz Felipe de. O trato dos viventes: formação do Brasil no Atlântico Sul. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

ANDERSON, Perry. Linhagens do Estado Absolutista. São Paulo: Ed. Unesp, 2015.

ANIEVAS; Alexander; NISANCIOGLU, Kerem. How the West Came to Rule: The Geopolitical Origins of Capitalism. London: Pluto Press, 2015.

ARRIGHI, Giovanni. O longo século XX: poder, dinheiro e as origens do nosso tempo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.

AZEVEDO, João Lúcio de. Épocas de Portugal Económico: esboços de História. Lisboa: Livraria Clássica Editora, 1929.

BOURDIEU, Pierre. Sobre o Estado: cursos no Collège de France (1989-92). São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

BOXER, Charles R. The Dutch Seaborne Empire (1600-1800). London: Hutchinson and Co. (Publishers) Ltd, 1965.

BOXER, Charles R. O Império Marítimo Português (1425-1825). Lisboa: Edições 70, 2017.

BRANDON, Pepjin. War, Capital and the Dutch State (1588-1795). Leiden; Boston: Brill, 2015.

BRAUDEL, Fernand. Civilization and Capitalism, 15th-18th Century, vol.2: the Wheels of Commerce. New York: Harper & Row, 1982.

COSTA, Maria Leonor Freire. O transporte no Atlântico: as frotas do açúcar (1580-1663). 2001. 623 f. Tese (Doutorado em História) – Universidade Técnica de Lisboa, Lisboa, 2001.

EBERT, Christopher. Dutch Trade with Brazil Before the Dutch West India Company, 1587-1621. In: POSTMA, Johannes; ENTHOVEN, Victor (org.). Riches From Atlantic Commerce: Dutch Transatlantic Trade and Shipping, 1585-1817. Brill: Leiden; Boston, 2003. p. 49-75.

EBERT, Christopher. Between Empires: Brazilian Sugar in the Early Atlantic Economy, 1550-1630. Brill: Leiden; Boston, 2008.

EMMER, Peter C. The First Global War: the Dutch versus Iberia in Asia, Africa and the New World, 1590-1609. e-Journal of Portuguese History, v.1, n.1, . p. 1-14, 2003. Disponível em: https://www.brown.edu/Departments/Portuguese_Brazilian_Studies/ejph/html/Summer03.html Acesso em: 25 jun. 2021.

GODINHO, Vitorino Magalhães. A expansão Quatrocentista Portuguesa. 2. ed. Lisboa: Dom Quixote, 2007.

HARRELD, Donald J. High Germans in the Low Countries: German Merchants and Commerce in Golden Age Antwerp. Brill: Leiden; Boston, 2004.

ISRAEL, Jonathan I. Empires and Entrepôts: the Dutch, the Spanish Monarchy and the Jews, 1583-1713. London: The Hambledon Press, 1990.

LUCIANI, Fernanda Trindade. Munícipes e escabinos: poder local e guerra de Restauração no Brasil holandês (1630-1654). São Paulo: Alameda, 2012.

MARX, Karl. O Capital: crítica da economia política: livro I: o processo de produção do capital. 2. ed. São Paulo: Boitempo, 2017.

MELLO, Evaldo Cabral de. Rubro Veio: o imaginário da Restauração pernambucana. 2. ed. Rio de Janeiro: Topbooks, 1997.

MELLO, Evaldo Cabral de. O Negócio do Brasil: Portugal, os Países Baixos e o Nordeste, 1641-1669. Rio de Janeiro: Topbooks, 1998.

MELLO, José Antonio Gonsalves de. Tempo dos Flamengos: influência da ocupação holandesa na vida e na cultura do norte do Brasil. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1947.

MIRANDA, Bruno Romero Ferreira. Gente de Guerra: origem, cotidiano e resistência dos soldados do exército da Companhia das Índias Ocidentais no Brasil (1630-1654). Recife: Editora UFPE, 2014.

NASCIMENTO, Rômulo Luiz Xavier do. O Desconforto da Governabilidade: guerra, administração e cotidiano no Brasil holandês (1630-1644). Recife: Editora UFPE, 2020.

PARKER, Geoffrey. David or Goliath? Philip II and his World in the 1580s. In: KAGAN, Richard L.; PARKER, Geoffrey. Spain, Europe and the Atlantic World: Essays in Honour of John H. Elliott. Cambridge: Cambridge University Press, 1995. p. 245-266.

PARKER, Geoffrey. The Military Revolution: Military Innovation and the Rise of the West, 1500-1800. 2. ed. Cambridge: Cambridge University Press, 1996.

PUNTONI, Pedro. À mísera sorte: a escravidão africana no Brasil holandês e as guerras do tráfico no Atlântico Sul, 1621-1648. São Paulo: Hucitec, 1999.

PUTTEVILS, Jeroen. Eating the Bread Out of Their Mouth: Antwerp’s Export Trade and Generalized Institutions, 1544-5. The Economic History Review, v. 68, n. 4, Apr. 2015. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/ehr.12103 Acesso em: 10 jul. 2022.

RAU, Virgínia. A exploração e o comércio do sal de Setúbal: estudo de história econômica. Lisboa: [s. n.], 1951.

SANTANA PÉREZ, Germán. Los holandeses y la utilización de Canarias como puerta Atlántica durante los siglos XVI-XVIII. In: VERMEIR, René; EBBEN, Maurits; FAGEL, Raymond (org.). Agentes e identidades en movimiento: España y Países Bajos, siglos XVI-XVIII. Madrid: Sílex, 2011. p. 329-349.

SANTOS PÉREZ, José Manuel. Brazil and the Politics of the Habsburgs in the South Atlantic, 1580-1640. In: ALENCASTRO, Luiz Felipe de (ed.). The South Atlantic, Past and Present. Dartmouth: Portuguese Cultural and Literary Studies, 2015. p. 104-120.

SCHREUDER, Yda. Amsterdam’s Sephardic Merchants and the Atlantic Sugar Trade in the Seventeenth Century. London: Palgrave Macmillan, 2019.

SCHULTZ, Kara. ‘The Kingdom of Angola is not Very Far from Here: the Río de la Plata, Brazil, and Angola, 1580-1680. 2016. 178 f. Tese (Doutorado em História) – Vanderbilt University, Nashville, 2016.

SERRÃO, Joaquim Veríssimo. Do Brasil Filipino ao Brasil de 1640. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1968.

SILVA, Filipa Ribeiro da. Dutch and Portuguese in Western Africa: Empires, Merchants and Atlantic System, 1580-1674. Boston; Leiden: Brill, 2011.

STOLS, Eddy. The Expansion of the Sugar Market in Western Europe. In: SCHWARTZ, Stuart (ed.). Tropical Babylons: Sugar and the Making of the Atlantic World, 1450-1680. Chapel Hill: The University of North Carolina Press, 2004. p. 237-288.

STRUM, Daniel. O Comércio do açúcar: Brasil, Portugal e Países Baixos (1595-1630). Rio de Janeiro: Versal Editores, 2014.

STRUM, Daniel. Entre os embargos e a Inquisição: cristãos-novos e framenguos na rota do açúcar. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA — ANPUH, 26., 2011, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: ANPUH, 2011. p. 1-14.

TRACY, James D. The Founding of the Dutch Republic: War, Finance, and Politics in Holland (1572-1588). Oxford: Oxford University Press, 2008.

VAINFAS, Ronaldo. Traição: um jesuíta a serviço do Brasil holandês processado pela Inquisição. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

VAINFAS, Ronaldo. Jerusalém colonial: judeus portugueses no Brasil holandês. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

VALLADARES, Rafael. Por Toda la Tierra: España y Portugal: Globalización y Ruptura (1580-1700). Lisboa: CHAM, 2016.

VIEIRA, Alberto. The Sugar Economy of Madeira and the Canaries, 1450-1650. In: SCHWARTZ, Stuart (ed.). Tropical Babylons: Sugar and the Making of the Atlantic World, 1450-1680. Chapel Hill: The University of North Carolina Press, 2004. p. 42-84.

WALLERSTEIN, Immanuel. The Modern World-System II: mercantilism and the consolidation of the European World-Economy (1600-1750). Berkeley; Los Angeles; London: University of California Press, 2011.

WOLF, Eric R. A Europa e os povos sem história. São Paulo: Edusp, 2005.

Downloads

Publicado

2024-01-31

Como Citar

SILVA, J. G. C. (2024). A EMERGÊNCIA DOS ESTADOS GERAIS E AS ORIGENS LUSO-AMERICANAS DE SEU EXPANSIONISMO ULTRAMARINO (1580-1609). Outros Tempos: Pesquisa Em Foco - História, 21(37), 33–58. https://doi.org/10.18817/ot.v21i37.1016